14 de Junho de 2010

A EVOLUÇÃO DA LÍNGUA PORTUGUESA

A língua portuguesa é a 8.ª língua mais falada no mundo (por cerca de 200 milhões de pessoas), e a língua oficial de 9 países.

Como língua viva, dinâmica, o Português resultou da evolução e influência de várias línguas de povos invasores da Península Ibérica, desde a língua dos primeiros povos, como os Lusitanos, até à dos Romanos. Apesar de a língua deste povo, o Latim, ter sido de grande influência para o nascimento do Galego-Português, invasões do território lusitano pelos Visigodos e pelos Árabes deixaram marcas na língua. Por exemplo, vocábulos iniciados por al- são de origem árabe, como alcaide e aldeia.

Há outras línguas, como o Francês, o Catalão, o Italiano e o Romeno, que são muito semelhantes ao Português. Deve-se isso ao facto de terem todas a mesma origem e, por isso, são chamadas de línguas românicas.

A língua é um elemento importante de união entre os povos. Contrariamente a outros países, como a Espanha, Portugal é um país que beneficiou, desde a sua fundação, em 1143, de uma língua comum e de fronteiras estáveis.

Só no reinado de D. Dinis é que se começaram a escrever documentos em Português.

Os séculos XV e XVI, período da expansão marítima, foram importantes na medida em que permitiram a consolidação da língua portuguesa, mas também a colonização de outros continentes onde a língua lusa foi implantada. Por isto se explica a variação linguística do Português.

Em Portugal, há vários dialectos. Lindley Cintra, linguística e dialectólogo, destacou dois principais, os dialectos portugueses setentrionais e os dialectos portugueses centro-meridionais.

Por razões sociais ou culturais, há uma variedade que é considerada como referência. É a chamada norma que, actualmente, corresponde à variedade lisboeta.

Do mesmo modo que o Português europeu foi influenciado por outras línguas como o Italiano, o Francês, Inglês, também os Portugueses introduziram vocábulos noutras culturas como, por exemplo, “obrigado”, “trigo” ou “martelo”. Pode dizer-se que, actualmente, a língua que mais influência a nossa é o Inglês.

Os “mass media” e a escola são as instituições que, hoje, mais contribuem para a instituição de uma norma linguística. Apesar disso, continuam a existir diversos dialectos, com mais tendência a manterem-se em zonas rurais que urbanas. Aliás, é daquelas que ainda hoje o país mantém um rico património literário nacional de transmissão oral como os contos tradicionais, as lendas, os provérbios, os pregões ou os responsos. Não é estranho, pois, que encontremos, neles, regionalismos.

Do romance constituído, há séculos, no Ocidente da Península Ibérica, nasceram duas línguas nacionais, o Galego e o Português. Ao longo da sua história, o Português evoluiu, transportou-se para outros continentes, transformou-se em contacto com outras línguas, ramificou-se em duas normas linguísticas que servem culturas diferentes, em Portugal e no Brasil, e pode, no futuro, dividir-se ainda mais, com a criação de normas africanas.

O mundo mudou, a língua muda. O Português evoluiu e diversificou-se. Porém, a diversidade não impediu a unidade. E é ainda a língua portuguesa que une, hoje, povos que os oceanos separam.
Autoria do texto: Prof.ª Liliana F. Verde
Bibliografia:

•CARDEIRA, Esperança (2006). História do Português, Caminho.
•CINTRA, Lindley, CUNHA, Celso (2002). Nova Gramática do Português Contemporâneo, Edições João Sá da Costa.
•COSTA, Fernanda, CASTRO, Rogério (sem data). Viagens em Português 9, Porto Editora, Porto.
•Instituto Camões, História da língua portuguesa, http://cvc.instituto-camoes.pt/hlp/brevesum/index.html
•MACHADO, José Pedro (1993). Dicionário Onomástico-Etimológico da Língua Portuguesa, Livros Horizonte, Lisboa.
•MATEUS, Maria Helena Mira, CARDEIRA, Esperança (2007). Norma e Variação , Caminho.
•PAIS, Amélia Pinto, et alii (sem data). Ser em Português 10 A, Areal Editores, Porto.
•PEREIRA, Dulce (2007). Crioulos de Base Portuguesa, Caminho.
•Wikipédia, Mirandês, http://pt.wikipedia.org/wiki/L%C3%ADngua_mirandesa

Sem comentários: